Morar no Luxemburgo - Viver no Luxemburgo

editado April 2018 em Luxemburgo

Fala-se muito acerca desse belo país, não pela economia mas tambem por ser considerada por muitos uma sociedade muito equilibrada que permite um bom nível de vida assim como um bom balanço entre a vida pessoal e profissional.

Vamos então abrir esta discussão livre para trocar impressões e assim melhor aconselhar quem ambiciona viver no Luxemburgo, criamos este fórum com a intenção de melhor servir todos os que falam o Português, pensamos que os melhores conselhos acerca de emigrar ou viver noutro país como expatriado etc. vêm de que já deu esse passo e conseguiu adaptar-se à vida no país de destino.

Estejam á vontade para discutir coisas como custo de vida, emprego, accesso á educação, arrendar ou comprar casa etc.

Comentários

  • Existe uma comunidade lusófona no Luxemburgo numerosa, em particular portugueses, li algures que português é uma das línguas mais faladas no Luxemburgo, vamos ver como o tema se desenvolve, morar no Luxemburgo é bastante aliciante pelo menos no que diz respeito a carreiras no sector financeiro.

  • Bom pessoal, afinal como é morar em Luxemburgo, estou pensando ir viver no Luxemburgo para um contrato de trabalho, era bom saber um pouco mais.

  • O Luxemburgo, um país onde quase metade da população é estrangeira
    , apesar do seu tamanho reduzido, é um país verdadeiramente cosmopolita, com mais de 46% da população composta por residentes estrangeiros. Existem mais estrangeiros no Luxemburgo do que em qualquer outro país europeu. Dos aproximadamente 571.000 habitantes de Luxemburgo, cerca de 100.000 vivem na cidade de Luxemburgo. Outro fato desconcertante é que o país possui três idiomas oficiais: francês, alemão e Lëtzebuergesch (luxemburguês). Todos os três são usados comumente na vida cotidiana e na mídia. No entanto, alemão e francês dominam claramente quando se trata de fins administrativos.A população luxemburguesa atingiu meio milhão apenas recentemente!
    Desde o final do século 19, o Luxemburgo tem sido um país popular de imigração e experimentou um crescimento contínuo da população. Em 1910, cerca de 260.000 pessoas viviam no Luxemburgo, o número crescendo para o dobro em janeiro de 2016. Atualmente, quase metade dos residentes de Luxemburgo são estrangeiros, 86% dos quais são de outros países da UE. Mais de um terço (37%) da população migrante de Luxemburgo é portuguesa, 14% são da França, seguidos por italianos e belgas com 8% cada. Ao todo, a comunidade de expatriados representa cerca de 160 nacionalidades que vivem no Luxemburgo.
    O Luxemburgo possui um sistema de saúde pública obrigatório que oferece cobertura universal a 98% da população. Se você estiver coberto pelo seguro de saúde público, poderá escolher um hospital ou médico para tratamento. Existe um setor de saúde privado, mas é predominantemente suplementar e geralmente cobre a lacuna entre honorários médicos e o que você recebe - cerca de 60% das pessoas que vivem no Luxemburgo optam por esse seguro mútuo complementar adicional. O sistema público se esforça para garantir tratamento igual a todos os pacientes, independentemente de sua condição financeira ou social. Embora o sistema de saúde do Luxemburgo seja um dos mais caros, ele também está entre os mais generosos e abrangentes do mundo.
    Muitos expatriados que vivem no Luxemburgo decidiram ficar aqui e até adquirir cidadania. Os diferentes partidos políticos concordaram com uma nova lei de naturalização em março de 2016, que está prevista para entrar em vigor em janeiro de 2017. A primeira novidade dessa lei é que o Jus soli é implementado. Isso significa que as pessoas nascidas no Luxemburgo para pais não cidadãos podem adquirir a nacionalidade quando completarem 18 anos, desde que morem no Luxemburgo por cinco anos consecutivos antes dos 18 anos. Além disso, você pode solicitar a cidadania luxemburguesa se vive aqui nos últimos cinco anos, passou em um teste de língua luxemburguesa (você precisa de um nível B1 em compreensão oral e A2 em expressão oral) e passou no curso “Morando juntos no Grão-Ducado do Luxemburgo”. Se precisar de mais informações, visite o site do Ministério da Justiça (em francês).
    O multilinguismo é um aspecto importante da vida no Luxemburgo. Sua herança reside nos grupos étnicos românicos e germânicos que coexistiram e influenciaram fortemente o desenvolvimento do país. No século 14, Valônia e Lëtzebuergesch eram as línguas faladas dominantes. No entanto, alemão e francês serviram como principais idiomas administrativos da época. Nos anos seguintes, a ocupação francesa e alemã cimentaram essa tradição bilíngue, com o francês tendo uma influência um pouco mais forte. Desde 1843, as pessoas que vivem no Luxemburgo estão oficialmente livres para escolher qual idioma - francês, alemão ou Lëtzebuergesch - desejam falar.
    Lëtzebuergesch remonta ao dialeto Mosela-Francônia, falado no Luxemburgo. Eventualmente, tornou-se a língua materna dos luxemburgueses. Mesmo se você não planeja ficar no Luxemburgo para sempre, saiba que os três idiomas oficiais são frequentemente usados ​​simultaneamente. Se você quiser provar o quão bem se estabeleceu, tente comprar um pouco de Lëtzebuergesch. Você pode até obter licença oficial para isso: todo mundo que trabalha e vive no Luxemburgo tem o direito de tirar 200 horas de folga para aprender o idioma local.


  • Existem algumas agências de emprego dedicadas a trabalho no Luxemburgo para quem fala português?
  • Morar no Luxemburgo deve ser relativamente complicado em termos de alojamento não? Ouvi dizer que muitas pessoas que trabalham no Luxemburgo vivem em França e vice-versa. 
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.