Chernobyl - quem se lembra do acidente de Chernobyl em 1986

Viu-se este ano a série Chernobyl pela HBO, não vou perguntar se decarregaram ou viram de forma legítima ;) mas a série parece ter trazido á tona todo aquele clima de guerra fria dos anos 80. Agora alguns de nós já a acusar a idade ainda se lembram das notícias na época, muitos de nós ainda nem andavam na escola mas as impressões daquele acidente nuclear acordaram uma onda de protestos ambientalistas, acabando mesmo com projectos de produzir energia nuclear em Portugal. Não sei se vamos discutir a energia nuclear como alternativa limpa para ajudar a superar a dependência de combustíveis fósseis ou não, embora o crescimento do use de automóveis eléctricos vá certamente aumentar a exigência da produção de energia a custo mais baixo.

Bom, isto para perguntar: quem se lembra do acidente nuclear da central de Chernobyl?

Comentários

  • Chernobyl tornou-se mesmo quase um estilo, guerra fria, videojogos como STALKER e Fallout trazem o tal do AtomPunk ás massas, claro que Chernobyl é anos 80, mas a guerra fira começou muito antes, mas a União Soviética manteve essa cultura activa por muitas décadas...
  • editado November 3
    Bom, para variar um pouco do que está de momento disponível pela HBO, parece que vai haver uma versão pela TV Russa:
    A TV estatal russa deve exibir seu próprio drama sobre o mortal desastre de Chernobyl em 1986 - mas, ao contrário da série HBO, que transfixou telespectadores ao redor do mundo, esta versão afirma que um espião da CIA esteve presente no pior acidente nuclear da história.

    Chernobyl, que vai ao ar no canal NTV da Rússia, parece atender a uma demanda de colunistas de tabloides e notícias da TV estatal por uma recontagem mais patriótica da história.

    Craig Mazin, o criador da série HBO, ficou obcecado por pequenos detalhes, como cadarços e telefones, e adotou relatos em primeira mão de sobreviventes para recriar autenticamente a União Soviética dos anos 80.

    Chernobyl, da NTV, filmado na Bielorrússia, exige muito mais liberdade. Uma descrição do programa diz que a trama gira em torno de um agente da CIA enviado a Pripyat para reunir informações sobre a usina nuclear de Chernobyl e o agente de contra-inteligência russo enviado para localizá-lo.

    Se parece ficção, é porque é. Mas o diretor, Alexey Muradov, disse que o programa "vai contar aos espectadores o que realmente aconteceu naquela época".

    "Há uma teoria de que os americanos se infiltraram na central nuclear de Chernobyl e muitos historiadores não negam que no dia da explosão um agente dos serviços de inteligência do inimigo estivesse presente na estação", disse Muradov ao tablóide Komsomolskaya Pravda, que disse que o programa "propõe uma visão alternativa sobre a tragédia em Pripyat".

    A televisão estatal e os tabloides russos acusaram a série de preconceitos da HBO, encobrindo os atos heróicos dos trabalhadores de emergência soviéticos, os chamados "liquidatários".

    "Chernobyl não mostrou a parte mais importante - nossa vitória", publicou uma manchete no Komsomolskaya Pravda, o diário mais popular do país.

    Outro artigo do proeminente correspondente de guerra Dmitry Steshin afirmou que o programa foi filmado para sabotar as vendas externas de tecnologia de energia nuclear pela empresa estatal russa Rosatom.

    A Rússia comemora seus veteranos militares como poucos outros países, mas muito menos atenção é dada aos liquidatários de Chernobyl. Ilya Shepelin, jornalista russa, escreveu no Moscow Times que "o fato de um canal de TV americano, e não russo, nos falar sobre nossos próprios heróis é uma fonte de vergonha que a mídia pró-Kremlin aparentemente não consegue acalmar".

    theguardian.com/world/2019/jun/07/chernobyl-hbo-russian-tv-remake

    -------

    Russian state TV is working on its own version of Chernobyl, a series based on the worst nuclear accident in history.

    The NTV drama will deviate from the acclaimed HBO series - and from historical reality - by claiming that the CIA was involved in the disaster.

    Director Aleksey Muradov claims it will show "what really happened back then".

    A minissérie da HBO, que terminou na segunda-feira, recebeu a maior pontuação já vista para um programa de TV no IMdB, além de uma classificação de 9,1 no Kinopoisk, equivalente russo.

    Mas em uma entrevista ao Komsomolskaya Pravda, o tablóide mais lido da Rússia, Muradov disse que sua versão do programa "propõe uma visão alternativa sobre a tragédia em Pripyat".

    "Existe uma teoria de que os americanos se infiltraram na usina nuclear de Chernobyl", disse ele ao jornal. "Muitos historiadores não descartam a possibilidade de que, no dia da explosão, um agente dos serviços de inteligência do inimigo estivesse trabalhando na estação".

    Desastre de Chernobyl: 'eu não sabia a verdade' Will Gompertz avaliações Chernobyl O Hollywood Reporter relata que o ministério da cultura russo contribuiu com 30 milhões de rublos (US $ 463.000; £ 363.000) para o programa.

    O reator número 4 da usina nuclear de Chernobyl explodiu em 26 de abril de 1986 na cidade ucraniana de Pripyat.

    Pelo menos 31 pessoas foram mortas logo após o ataque, e os efeitos continuam sendo sentidos até hoje.

    O que a Rússia achou de Chernobyl, da HBO? Há muitos elogios na Rússia pela autenticidade de Chernobyl.

    O jornal Izvestia declarou o retrato mais "realista" da época do que a maioria dos filmes russos consegue. Também há admiração de como a série transmite o heroísmo das pessoas comuns.

    Mas também houve um aumento de críticas. Um colunista declarou o programa uma trama para minar a atual agência atômica da Rússia. Outros a chamavam de "propaganda" americana, escurecendo a imagem da URSS e exagerando a insensibilidade da resposta soviética.

    Ninguém contesta que as pessoas estão falando. Eles estão ocupados compartilhando suas próprias histórias de Chernobyl nas mídias sociais, com os russos mais jovens frequentemente os ouvindo pela primeira vez. Então, um usuário do Twitter agradeceu à série por 'nos devolver nossa história'.

    No final, como conclui um comentarista, a principal razão da reação é provavelmente um sentimento de vergonha que foram os EUA que contaram a história de Chernobyl, e não a própria Rússia.

    O programa tem sido particularmente impopular entre a TV estatal russa e os tablóides do país.

    Falando ao site de TV Teleprogramma, o colunista Anatoly Wasserman disse: "Se os anglo-saxões filmarem algo sobre russos, definitivamente não corresponderá à verdade".

    Ele continuou, não porque "eles não gostam de nós", mas porque "eles simplesmente não podem nos entender".

    Komsomolskaya Pravda publicou vários artigos negativos sobre o programa - incluindo um que flutua uma teoria da conspiração de que foi produzido por concorrentes da Rosatom, empresa estatal de energia da Rússia, para arruinar a reputação do país como energia nuclear.

    O show foi elogiado por sua atenção aos detalhes Mas os críticos de meios de comunicação independentes elogiaram o escritor Craig Mazin por sua atenção minuciosa aos detalhes.

    Slava Malamud, jornalista norte-americana que cresceu durante a era soviética no que é hoje a Moldávia, escreveu no site de notícias independente russo Meduza que "o respeito e meticulosidade que os criadores do programa trouxeram para o seu trabalho são de tirar o fôlego".

    "Como eu vejo a placa de um carro em uma cena tem os números reais para a região de [Kiev]", disse ele. "Quem vai notar isso na América ou na Inglaterra?"

    Um desafio para visões otimistas do passado da Rússia Adam Robinson, BBC Monitoring - O mundo através de sua mídia

    Para o Kremlin, o tópico da história é altamente sensível - especialmente sobre a União Soviética.

    A mídia oficial agora tende a apresentar uma visão idealizada e desinfetada da URSS, e retrata a Rússia de Putin como seu herdeiro espiritual.

    Isso facilita ver qualquer visão crítica do passado soviético como um ataque à base de poder ideológica do Kremlin.

    É uma narrativa que procura controlar e proteger completamente de influências externas - particularmente de um Ocidente que vê como hostil.

    Alguns russos sentem que a versão da realidade oferecida pela mídia controlada pelo Kremlin não é totalmente diferente das mentiras contadas pelo estado soviético.

    Como resultado, talvez a idéia mais perigosa tenha sido a questão principal em Chernobyl - qual é o custo das mentiras?

    bbc.co.uk/news/world-europe-48559289
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.